Fotos: Reprodução/Redes Sociais Tião Carreiro - João Carreiro

Morte de João Carreiro: cantor era filho ou parente de Tião Carreiro?

O universo sertanejo se despediu, na última quarta-feira (3), de uma de suas vozes mais marcantes, João Carreiro.

Nascido como João Sérgio Batista Corrêa Filho, o cantor, que partiu após um procedimento cirúrgico cardíaco, foi imortalizado no cenário musical não apenas por sua voz inconfundível, mas também pelo apelido Carreiro, que carregava um significado especial.

O nome “Carreiro” não foi uma escolha aleatória. Ele fazia alusão a Tião Carreiro (1934-1993), uma lenda da música sertaneja, cujo legado permanece vivo até hoje.

Apesar de muitos questionamentos, João Carreiro esclareceu que não compartilhava laços de sangue com Tião, mas uma admiração profunda que se refletiu em seu nome artístico.

Em uma revelação feita ao jornalista André Piunti, João contou sobre a origem de seu nome de palco: “Eu andava muito com o meu tio, o irmão da minha mãe. A gente estava em uma festa tomando umas pingas, nessa época eu ainda bebia e me chamaram para cantar uma música no palco”.

“Era André & Adriano, que foram cantar lá em Cuiabá na época da ‘Jiripoca’. Falaram: ‘Quem souber cantar um pedaço da Jiripoca que vai ganhar um CD'”.

“Meu tio me pegou pelo fundo da calça e me colocou em cima do palco, e eu cantei a moda. Aí a dupla ainda brincou, falou assim: ‘Ó, tem um Tião Carreiro aqui no Mato Grosso!'”, contou ele.

Veja também:
Morte de Kurt Cobain é cercada de polêmicas e teorias da conspiração

Mais tarde, o jovem foi contratado para cantar em um evento.

“O locutor falou: ‘Vamos ter o violeiro, a nova revelação de Cuiabá e do Mato Grosso’, só que não tinha nome, né? Aí ele chegou no meu tio e falou assim: ‘Como que eu vou chamar?’. Lá em Cuiabá tem uma dupla que chama Breno Reis e Marco Viola, e éramos fãs deles. Meu tio falou assim: ‘Põe João Viola, pô’. Aí eu falei: ‘Não, é João Carreiro, velho’. O cara falou João Carreiro e eu nunca mais parei de usar. Isso foi em 1999, 2000′”, contou o sertanejo.

Assim, com uma apresentação que cativou a todos, João Carreiro não apenas ganhou um CD, mas também um nome que o acompanharia pelo resto da carreira.

João Carreiro - sertanejo

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Recém-completados 41 anos em dezembro, João Carreiro partiu deixando um legado de músicas e memórias.

Antes de sua cirurgia, exibia um humor leve, brincando até mesmo com a vestimenta do procedimento. Porém, o que começou como uma esperança de renovação, terminou em luto, com sua esposa, Francine Caroline, confirmando a triste notícia horas após a cirurgia.

Com hits como ‘Bruto, Rústico e Sistemático‘ e ‘Xique Bacanizado‘, ele deixou sua marca na cultura popular brasileira.

A trajetória de João Carreiro

João Carreiro teve uma trajetória marcada tanto por altos picos de sucesso quanto por momentos desafiadores longe dos holofotes.

Veja também:
11 anos sem Chorão: os detalhes que nunca te contaram sobre a morte do vocalista do Charlie Brown Jr.

Em uma emocionante entrevista no programa ‘Encontro’, o cantor revelou detalhes íntimos sobre um período difícil de sua vida.

“Eu tive depressão e TOC (Transtorno Obsessivo-Compulsivo). Na época, eu fiquei muito mal, mas a dupla, na época, estava no melhor momento da carreira, da nossa fase, e ninguém entendeu aquilo”. 

Além de suas aparições televisivas, João Carreiro deixou sua marca nas trilhas sonoras de diversas novelas da Globo, colaborando com seu então parceiro, Capataz.

Aos 41 anos, em dezembro de 2023, João Carreiro enfrentou um novo desafio: uma cirurgia cardíaca. Com um espírito leve e bem-humorado, o sertanejo brincou sobre a vestimenta da operação,

“Se eu ‘empacotar’, não quero saber dessa roupinha aqui. Não combina muito comigo isso aqui. É de florzinha”. Ele também compartilhou que se afastaria dos palcos por um tempo devido ao procedimento.

Tião Carreiro e Pardinho

Era uma vez no panorama musical brasileiro, uma dupla que não só entoou melodias, mas também deixou um legado eterno na música sertaneja. Tião Carreiro e Pardinho, dois nomes que se tornaram de talento e tradição. Eles navegaram pelas ondas sonoras da moda de viola e do pagode de viola.

José Dias Nunes, conhecido artisticamente como Tião Carreiro, era o mestre dos solos vibrantes de viola caipira, emprestando sua voz profunda e marcante às canções.

Veja também:
Chá-revelação de R$ 45 mil é arruinado de maldade e sogra é a principal suspeita

Ao seu lado, Antônio Henrique de Lima, ou Pardinho, como era popularmente chamado, complementava a harmonia com o som de base, no violão ou na viola, e uma voz aguda que tocava os corações.

Num universo onde a voz aguda geralmente assumia o protagonismo, a dupla inovou. Tião Carreiro tornou-se a primeira voz em grande parte do repertório, marcando uma distinção única e amada por seus fãs.

Juntos, eles percorreram uma trajetória musical que se estendeu de 1954 a 1978 e depois de 1981 a 1993.

O papel de Tião Carreiro e Pardinho na evolução da música sertaneja é indiscutível. Eles ajudaram a construir a música sertaneja se apresentando em palcos de teatros, rodeios e exposições.

A dupla não só alcançou os ouvidos dos amantes da música de raiz, mas também conquistou espaço no horário nobre da televisão, mostrando que a verdadeira arte não conhece limites.

Tião Carreiro

Foto: Reprodução

Morre o cantor João Carreiro, aos 41 anos de idade