Fotos: Divulgação

A carreira musical de Angélica, que foi além de ‘Vou de Táxi’ e gravou 13 álbuns

Hoje mãe de três filhos e vez ou outra citada como possível futura primeira-dama do Brasil, Angélica geralmente só é associada ao mundo da música quando alguém lembra da clássica ‘Vou de Táxi‘. No entanto, a carreira musical de Angélica vai muito além disso.

Os primeiros passos da loira no meio musical remetem aos tempos em que ela fazia sucesso como apresentadora infantil. Naquela época, Xuxa e Mara Maravilha também tinham os próprios programas voltados para as crianças e, quase como uma tradição, todas elas cantavam. Angélica não fugiu à regra.

Veja também:
A carreira musical de Xuxa, que não se considera cantora, mas vendeu milhões

Ao todo, Angélica lançou 13 álbuns inéditos, três trilhas sonoras e sete coletâneas. O maior sucesso, contudo, foi mesmo ‘Vou de Táxi’, a primeira música do disco de estreia, que vendeu cerca de 1 milhão de cópias.

E para quem não sabe, uma curiosidade: a música é uma versão em português para ‘Joe Le Taxi’, que virou hit na voz da cantora francesa Vanessa Paradis.

Ouça ‘Vou de Táxi’:

Início da carreira de Angélica

Foto: Reprodução / Instagram

Angélica, que estourou como cantora e apresentadora infantil (e depois seguindo na apresentação do quadro ‘Vídeo Game’, dentro do programa ‘Vídeo Show’), começou a carreira ainda criança.

Ela tinha 4 anos quando apareceu num concurso nacional de beleza no programa do Chacrinha – e venceu a competição como representante do estado do Pará, apesar de ter nascido e sido criada no interior de São Paulo.

Foto: Reprodução/TV Globo

Em entrevista para a colega Ana Maria Braga, no ‘Mais Você’ de novembro de 2015, a apresentadora relembrou que a participação – que foi o estopim para o início da carreira – aconteceu por acaso.

“Era para curar um trauma, porque eu era muito tímida e minha mãe me levou lá”, contou Angélica. “Logo que eu ganhei o concurso, agências de publicidade começaram a ligar na casa da minha mãe. Então eu fazia muitos comerciais, fotos e desfiles – e ganhava um dinheiro. Ajudava muito a minha família”, acrescentou.

Apresentadora e cantora

Foto: divulgação

Aos 12 anos, Angélica tornou-se apresentadora com foco no público infantil e ganhou o primeiro programa de TV. Ela comandou os programas ‘Clube da Criança’ e ‘Milk Shake’, ambos da Rede Manchete – o primeiro, inclusive, teve Xuxa como antecessora.

A carreira musical veio automaticamente e contou com um álbum atrás do outro – a partir de 1988, ela lançou um trabalho novo por ano até 1999.

O primeiro disco, autointitulado ‘Angélica’ e de 1988, traz o hit ‘Vou de Táxi’, além de outras músicas compostas por diferentes artistas. Algumas delas eram versões de canções internacionais, como ‘Na Na Na Hey Hey Tchau Tchau’ (que adapta ‘Na Na Hey Hey Kiss Him Goodbye’, da banda Steam) e ‘Milk Shake’ (que traz nova roupagem a ‘Iko Iko’, do Dixie Cups).

Deste álbum, vale destacar, também emplacaram faixas como ‘Eu Não Sabia Que Você Existia’ e ‘Primeiro Amor’. Ao todo, o disco vendeu mais de 1,2 milhão de cópias.

O segundo álbum, também chamado ‘Angélica’ e divulgado em 1989, repetiu o sucesso do primeiro, vendendo 800 mil cópias. O estilo foi o mesmo: músicas de outros compositores, incluindo versões de canções internacionais.

Três músicas se destacaram desse disco: ‘Tic Tac’, ‘Toda Molhada de Chuva’ e ‘Angelical Touch’. Esta última, inclusive, fez parte da trilha sonora do filme ‘Uma Escola Atrapalhada’, protagonizado por ela.

Os álbuns seguintes de Angélica, todos autointitulados e lançados até 1992, não chegaram a repetir as vendas dos primeiros, mas todos eles ganharam disco de ouro pelas boas vendas.

Mudanças e experimentos

Fotos: divulgação

Em 1993, houve uma mudança de direcionamento: ‘Meu Jeito de Ser’ começou a transitar para um estilo menos infantil e mais adolescente. Foi, também, o primeiro álbum da cantora desde sua saída da Rede Manchete, sendo contratada pelo SBT.

A nova proposta artística ficou ainda mais clara no álbum de 1995, também autointitulado ‘Angélica’. Além da capa com uma foto mais “ousada” (na imagem acima, à esquerda), ela gravou músicas bem orientadas ao público jovem, com destaque a ‘Sonhos’, parceria com Latino que fez bastante sucesso na época.

Em 1996, a artista migrou do SBT para a Globo, o que impulsionou sua carreira de forma geral – incluindo na música. Naquele ano, ela lançou um álbum que chegou a vender 250 mil cópias, chamando atenção com a música ‘Sem Você’, que traz participação de Netinho.

Angélica chegou a seu 10° álbum com apenas 24 anos de idade, em 1997. O trabalho superou as vendas do antecessor direto e voltou a apostar nas participações, como ‘Toque de Magia’, gravada com Chayanne, e ‘Palco’, com Gilberto Gil.

Já em 1998, a artista voltou a apostar em uma vertente musical mais infantil, já que tornou-se apresentadora do matinal ‘Angel Mix’, na TV Globo. Um ano depois, ela trabalhou em um disco apenas com parcerias, ‘Angel Hits & Amigos’, que traz participações que vão de Belo e Rodrigo Faro a Jota Quest e Toquinho.

O último disco da carreira musical de Angélica, de 2001, também é um de seus mais peculiares. Na ocasião, a cantora decidiu trabalhar para o público adulto, afastando-se das crianças e também dos adolescentes.

Foi deste álbum que saíram duas versões que ficaram conhecidas na sua voz: ‘Se A Gente Se Entender’, que adapta a internacional ‘Linger’, do Cranberries; e ‘Esperando na Janela’, hit da banda Cogumelo Plutão. Apesar disso, foi o trabalho menos vendido da artista, que encerrou sua carreira musical.

Angélica deixou de gravar discos e fazer shows para se dedicar à carreira de apresentadora na Globo. Como os álbuns eram produzidos com foco no público infantil ou adolescente e ela havia abandonado essa vertente para comandar programas como ‘Fama’, ‘Vídeo Game’ e ‘Estrelas’, não fazia mais sentido para ela seguir trabalhando na música.

Protagonista de musical no cinema

Foto: divulgação

Como Xuxa, Angélica também partiu da TV para o cinema. Ela fez participações em filmes do grupo de comédia ‘Os Trapalhões’ e protagonizou ‘Zoando na TV’ (1999) enquanto ainda era apresentadora e cantora infantil.

Depois de deixar de gravar novos álbuns, ela aceitou interpretar uma personagem cujo sonho era ser cantora no filme ‘Um Show de Verão’ (2004). O longa do gênero musical contou com várias participações, incluindo Felipe Dylon, Gustavo Lins, Lulu Santos, Gabriel O Pensador, Marcelo D2 e Jota Quest.

Sem fazer grandes números nas bilheterias, o filme ficou mais conhecido por ter marcado o início do relacionamento de Angélica e Luciano Huck, com quem ela fez par romântico e iniciou um namoro na vida real.

Veja o trailer de ‘Um Show de Verão’:

Discografia de Angélica

  • Angélica (1988) – com ‘Vou de Táxi’
  • Angélica (1988)
  • Angélica (1988)
  • Angélica (1988)
  • Angélica (1988)
  • Meu Jeito de Ser (1993) – público jovem
  • Angélica (1994)
  • Angélica (1988)
  • Angélica (1988)
  • Angélica (1988)
  • Angélica (1998) – volta ao infantil
  • Angel Hits e Amigos (1999) – parcerias
  • Angélica (2001) – público adulto
Compartilhar