Foto: Divulgação

‘Meu mundo caiu’: o último dia e os detalhes da morte de Maysa

A morte de Maysa aconteceu na tarde de 22 de janeiro de 1977, na ponte Rio-Niterói. Eternizada pelo sucesso da canção ‘Meu Mundo Caiu’, Maysa Figueira Monjardim, ou simplesmente, Maysa estava sozinha a caminho da casa de praia, em Maricá, município na região metropolitana do Rio de Janeiro, quando sofreu um acidente de carro.

Ela tinha 40 anos e, de acordo com relato de familiares, possivelmente estaria sob efeito de remédios para emagrecer, além de estar sem dormir havia vários dias. Apesar disso, exames toxicológicos mostraram que ela estava sóbria no momento.

O último dia de vida de Maysa

Maysa morreu em um sábado. No livro ‘Maysa: Só numa multidão de amores’, o jornalista e escritor Lira Neto detalha as últimas horas do dia em que a cantora levantou da cama pela última vez.

Segundo a publicação, a cantora almoçou com os pais, Alcibíades Guaraná Monjardim e Inah Figueira, ficou deitada com eles no sofá e disse que os amava. A mãe já sabia que a filha pretendia ir para a praia mais tarde, mas pediu que ela não pegasse a estrada naquele dia, que dormisse com eles e fosse pela manhã.

Veja também:
A morte de Whitney Houston, os vícios e os últimos momentos da cantora

De personalidade forte, Maysa argumentou que seria melhor ir naquele momento, pois no domingo muita gente estaria voltando e isso travaria o trânsito. Além disso, ela relatou que precisava fazer um favor para um amigo: pagar os operários que estavam construindo a casa dele.

Ela se despediu dos pais com um beijo e pegou as chaves do carro rumo a Maricá. Segundo o livro, o pai da cantora relatou, mais tarde, que teve um mau pressentimento ao se despedir de Maysa.

O acidente que causou a morte de Maysa

Faltando dez minutos para as 18h, Maysa e sua Brasília azul entraram na ponte Rio-Niterói – que havia sido inaugurada dois anos antes. Conforme relatado no livro, o veículo estava a mais de 100 km/h e com a janela do lado do motorista totalmente aberta, enquanto a do lado do passageiro seguia completamente fechada.

Ao tentar desviar de um carro, Maysa teve a Brasília atingida por uma forte lufada de vento. Ela perdeu o controle do carro, que, aparentemente, teve a estabilidade comprometida por conta da diferença entre as janelas – uma aberta, outra fechada.

Veja também:
Morte de Cássia Eller: a partida inesperada que virou caso de polícia

O carro chocou-se com um dos cabos de aço da ponte e isso deu início a uma sequência de acontecimentos: o veículo bateu na quina de concreto armado que dava início a mureta, rodopiou na pista, bateu novamente – e dos dois lados – no muro de proteção. O impacto foi tanto que o volante ficou na altura do banco traseiro.

Com diversos ferimentos, Maysa morreu a caminho do Hospital Antonio Pedro, em Niterói. Entre as últimas anotações da cantora, um desabafo: “Eu estava com medo. Olhava o mundo com grande terror”.

Vida (e morte) recriada

“Todos acham que eu falo demais / E que ando bebendo demais / Que essa vida agitada não serve pra nada”. Esse trecho de ‘Demais’, composta por Tom Jobim e Aloysio de Oliveira, resumiria bem a vida de Maysa.

Sempre turbulenta e cheia de acontecimentos, a trajetória da cantora foi mostrada em uma minissérie da TV Globo.

Do vício em álcool ao casamento com o bilionário André Matarazzo, que era contra a carreira artística, e passando pelo sucesso nacional e internacional, ‘Maysa: Quando Fala o Coração’ retratou, inclusive, a cena de morte: com a Brasília azul percorrendo a ponte Rio-Niterói

Veja a cena:

Compartilhar